quarta-feira, 14 de maio de 2008

Salve Jorge, mas cuidado com o dragão!


Por que São Jorge sempre está lá, em 10 entre 10 bares, com um copinho de cerveja que lhe é oferecido pelo dono do local ou por quem derrama o primeiro gole de cachaça no chão e diz: ‘essa é para o santo’?

Além da grande devoção dos cariocas por São Jorge — a febre invadiu até mesmo estampas de grifes famosas —, a explicação está no sincretismo religioso do Brasil, que liga a religião afro ao catolicismo. Ou seja: o Santo Guerreiro seria a representação de Ogum, orixá da guerra.

E a bebida de Ogum é justamente a cerveja! Está aí a explicação: quer coisa melhor para proteger um botequim do que santo guerreiro e que bebe cerveja? Mas nada de chegar no bar, encher a cara, incorporar São Jorge e sair por aí matando dragão, hein?!

Beco do Rato e Canto do Rato

O Canto é cria do Beco do Rato, que também não pára. No Beco, foram instalados toldos enormes e a chuva já não é mais problema para quem fica na rua. No cardápio, além da badalada porção de pastel de angu (R$ 13 a porção com oito), agora tem pizzas. Em breve, serão servidos sanduíches. Para o almoço, o prato sai a módicos R$ 7. Gostinho de comida caseira e vale a sugestão de pedir o bife à milanesa ou a carne seca com abóbora.

Na ausência do Márcio, gente-fina de primeira que é o responsável pelo Beco, ficam no comando sua mulher, Lenira Vieira, e Paulinho Chiclete, que fazia parte da diretoria do Renascença Clube (onde toda segunda-feira rola o Samba do Trabalhador, com Moacyr Luz e companhia, lá na Barão de São Francisco, no Andaraí).

Lenira é sinônimo de simpatia, bom atendimento e bate-papo de primeira. "Crescemos e revitalizamos uma área que não tinha quase nada. Agora, vamos ampliar ainda mais", vibra Lenira, que conhece o cardápio de ponta a ponta e sugere sempre uma boa pedida. A cerveja é a famosa c...de foca! Vem como se tivesse mofada. Tem todas que você possa imaginar! Sempre gelada.

A programação segue com o choro (quinta-feira, com o grupo Receita do Choro, a partir das 20h), samba (sexta-feira, com o grupo Samba de Raízes recebendo Iracema Monteiro e Fábio Barreto, a partir das 22h), mais samba (terça-feira, com Toninho Geraes e compositores, a partir das 20h) e roda de poesia (quarta-feira, de 15 em 15 dias). Lenira pede para avisar que não é cobrado couvert artístico. Em dias de eventos, porém, a cerva custa R$ 3,50. Mas quem pedir três paga R$ 10. Uma Brahma em dia normal sai a R$ 2,80.

PS: Os painéis com o trio Moacyr Luz, Aldir Blanc e Arlindo Cruz, outro com Fundo de Quintal, e um com Zeca Pagodinho de maquinista do bonde de Santa Teresa e Beth Carvalho de carona são show. Tem também do nosso bravo São Jorge e do Preto Velho.

Beco e Canto do Rato - Rua Joaquim Silva, 11, loja. Telefone: 2508-9574

Verdades e mitos sobre a cerveja

Para quem gosta mesmo do assunto aí vão algumas verdades e mitos sobre a cerveja na explicação do mestre-cervejeiro da AmBev, Carlos Ernesto Welsch

Verdades
Quanto mais nova mais gostosa. Você sabia que, ao contrário do vinho, quanto mais jovem, melhor a cerveja e, consequentemente, o seu sabor? Isso mesmo, a loura gelada não pede envelhecimento e deve ser consumida logo que for produzida.

Armazenar a garrafa sempre de pé. Ao contrário do vinho, a garrafa de cerveja deve ser armazenada de pé.

Colarinho: Tomar cerveja sem colarinho é uma heresia. A cerveja deve ser servida com um colarinho de espuma de 2 a 3 dedos. A espuma faz parte da composição da cerveja e contribui para preservar melhor o aroma e o sabor do produto ao beber. Além disso, o aspecto visual do produto fica muito mais bonito e realça o prazer de saborear uma boa cerveja.

Gordura no copo Resíduos de gordura no copo são fatais para a bebida, acabando com o colarinho e liberando o gás carbônico, o que deixa o líquido com gosto descaracterizado.

Benefício para a saúde: Diversos estudos publicados em importantes veículos independentes, comprovam que o Consumo Moderado de Cerveja pode trazer uma série de benefícios. O site www.bierengezondheid.be pode ser útil. Vale lembrar que a cerveja é antes de tudo um produto que historicamente é consumido em momentos de celebração.

Mitos
Cerveja engorda? Esta é uma das maiores dúvidas dos apreciadores da "loura gelada". Na mesa de um bar, é comum ouvirmos falar que "cerveja dá barriga". Pura crendice popular! Não existe uma relação direta do líquido com o aumento da gordura corporal. Uma lata de cerveja tem, em média, 140 calorias, menos do que um suco de laranja, por exemplo. Isso quer dizer que a nossa cervejinha está totalmente dentro da nossa dieta, se houver um consumo responsável, é claro!

A água de Petrópolis é melhor que a água de Jaguariúna? Outra questão bastante comentada pelos apreciadores do ouro líquido diz respeito a água, ingrediente que responde por 90% na composição da cerveja. Existe diferença entre a água de um estado ou outro, da capital e do interior? A resposta é não! Indiferente da fonte que abastece qualquer região do Brasil, a água sempre passa por um processo de "preparação" que a transforma em água cervejeira. Hoje a AmBev, por exemplo, dispõe de tecnologias e controles de qualidades que conferem a mesma qualidade da água em qualquer uma de suas fàbricas. Assim, a água usada para a fabricação de cerveja no Sul é a mesma no Norte ou Nordeste do país, o que faz com que o resultado final seja o mesmo.

Cerveja de garrafa é mais gostosa que a de lata? A teoria também se aplica a latinha e garrafa. Engana-se quem pensa que o líquido de uma é diferente do líquido da outra. A cerveja é a mesma e o que pode influenciar no aroma e sabor é o modo como você resfria ou conserva a bebida. A exposição ao sol e calor e o congelamento são grandes inimigos da boa cerveja. Aliás, a melhor maneira de gelar a cerveja é coloca-la na geladeira. O freezer pode ser usado apenas nos últimos minutos antes de beber. Mas lembre-se que não se deve degelar a cerveja e depois voltar a resfriá-la. A bebida pode ficar "xoca" e com sabor alterado.

O chopp tem menor teor alcoólico que a cerveja? Não, ambos têm exatamente o mesmo teor alcoólico. A diferença entre o chopp e a cerveja é a pasteurização, que consiste num processo de aquecimento e resfriamento rápido para conferir maior estabilidade microbiológica ao produto. Enquanto a cerveja é pasteurizada para que seu prazo de validade seja mais longo, o chopp não é pasteurizado. Por esse motivo, o chopp tem um prazo de validade menor.

Cerveja preta aumenta o leite materno? A cerveja preta, como muitos pensam, não aumenta a produção de leite materno. O que acontece é que, por não ser filtrada, a cerveja do tipo stout como a Caracu, por exemplo, possui levedura, ingrediente que, junto às proteínas de fermento e malte que compõem a bebida, age como fonte de energia.

Casa da Cachaça




Uma pequena porta na Avenida Mem de Sá guarda uma grande história. Fundada em 1960, a Casa da Cachaça ficou sete meses fechada no ano passado, mas reabriu no dia 19 de outubro, com Paulo Rodrigues e o gerente João Belo à frente de mais de 800 marcas da branquinha. Do som, saem os acordes do samba, choro e grandes nomes da música popular brasileira.

Oswaldo, antigo dono, morreu em 2006, mas deixou vivo o legado da cachaça na Lapa. Os freqüentadores mais antigos chamam a casa de sarcófago da cachaça. No minúsculo recinto, com aspecto de pé-sujo, o clima é de nostalgia. Fotos de Madame Satã, desenhos de Carlos Zéfiro, o bravo São Jorge, o alambique, a antiquíssima máquina registradora, fundo sonoro com Nelson Cavaquinho, Aldir Blanc, Clara Nunes e mais dezenas de bambas, dão um charme especial ao ambiente.

São vendidas doses e garrafas de cachaça, com preços negociáveis na hora. A mais antiga é a Melado da Bahia, de 1962. Tem Rancheira, Isaura, Marimbondo, Germana, Beija-Flor, Salinas, Lua Cheia, Gengibre Afrodisíaco, Chalana e haja etc...nisso. Certa vez, o falecido Oswaldo riu de um cliente que perguntou: "Que cachaça o senhor tem aí?". As cervejas também merecem espaço: Brahma, Itaipava, Antarctica e Skol.

A Casa tem banquinhos de madeira e mesas na calçada à noite. Um pé-de-cachaça brotou no meio do bar e ostenta dezenas de garrafas do chão até o teto. Os clientes e amigos fiéis têm direito a Carteira do Cachaceiro, que traz algumas normas como: beber até o fígado agüentar, só beber em copo duplo e por aí vai. "Mantemos a tradição da casa. Temos música boa e centenas de cachaças. Eu mesmo sou um admirador da branquinha", afirma o gerente João Belo, gente boníssima.

Aos domingos, a partir das 16h, rola uma roda de samba e choro de primeira qualidade comandada por Rubinho, Pedro, João e companhia. O freguês ainda pode deixar sua filosofia de bar pregada num moral. Algumas merecem destaque. "Se o bar é bom o chope é cana", "Casa da Cachaça é meu fígado", "são muitos trópicos e psicotrópicos", "jamais aponte uma estrela para um idiota que ele pode olhar para o seu dedo", "em casa de malandro não existe corno", "viver pouco como rei ou muito como Zé?", entre outras.

Como tira-gosto, a pedida é o queijinho metido a palmito (realmente parece um palmito), que sai a R$ 1,50 a unidade. A nostalgia da casa está no ar, em cada detalhe, nas garrafas espalhas pelas paredes, penduradas aos montes no teto, nos rótulos que viraram adesivos. A casa é da boa. Entre e fique à vontade.



Casa da Cachaça - Avenida Mem de Sá, 110
Telefone: 2531-7219
De segunda a quinta-feira - Das 10h às 3h
Sexta e sábado - Das 10h às 7h
Domingo - horário flexível

Bar Sativa



O Bar Sativa dá samba. Vizinho da quadra da Imperatriz Leopoldinense, em Ramos, o botequim é o melhor da região. O mocotó servido na casa é ponto de referência do bairro, mais até do que o Sesc, na rua ao lado. "A Imperatriz fica perto do Sativa, que tem aquele mocotó sensacional", ensina um morador para quem vai pela primeira vez ao samba da verde-e-branco.

Difícil de ser encontrada nos balcões, a Brahma Extra é estupidamente gelada. "Garanto que é a mais gelada da região", afirma Maurício, que toca o bar há 10 anos. De segunda a segunda, o almoço seduz não só pela qualidade como pelo preço em conta. Uma bela carne assada, que desmancha na boca, sai a R$ 6. Para tirar um gosto, tem calabresa, salaminho, filezinho aperitivo, entre outras opções. O mocotó custa a bagatela de R$ 5. Mais mole do que isso, somente dois disso. Outro prato que sai muito é a carne seca com abóbora.

No sábado à tarde, enquanto as mesas do restaurante vizinho, que tenta ser sofisticado, clamavam por um único cliente, as mesas do Sativa clamavam por cervejas. A calçada, aos poucos, foi sendo tomada. Famílias, aniversariantes, amigos. Um clima cada vez mais em falta nas prateleiras da zona sul. "O charme do bar é a calçada, um lugar gostoso. Não somos lanchonete nem restaurante. Somos e continuaremos sendo um bar", brada Maurício.

Quando tem ensaio da Imperatriz, o pessoal da Velha Guarda encosta no balcão do Sativa. Além de cerveja, não poderia faltar a cachaça. De fundo musical, o repertório só tem coisa boa. Tudo conspira a favor. O clima é bom. Bem colado ao Sativa, o Bazar Nanã vende artigos religiosos do candomblé. Peça à benção aos orixás e tome cerveja.

Bar Sativa – Rua Euclides Faria, 92, loja B – Ramos
Telefone: 2561-3199

Bar do Willian (Conjunto Vivendas de Bangu)


Termina o futebol do condomínio Vivendas de Bangu e a rapaziada corre para começar os trabalhos no balcão. Perto dali, o Bar do Willian é pequeno, mas tem o essencial e um algo mais: cerveja gelada e para acompanhar nada mais nada menos do que uma costela de porco no bafo. É de babar e o precinho ó: R$ 6 Quem vê, a princípio, pode não dar nada por esse cantinho de Bangu. Ainda tem angu à baiana e mocotó. Carne seca com aipim também sai que é uma beleza. Com um clima bem família, o Bar do Willian entrega em domicílio ali pelas ruas próximas. Em dia de futebol, a televisão está sempre ligada e o local cheio. Esse é do tipo simples, bom e barato.

Rua Cannes, Conjunto Vivendas de Bangu
Telefone: 8188-4713

Salve o Botequim "Pé-Sujo" !!

Taí um verso que eu cantei, pra dentro, todos os dias desde que me entendo por gente.
Cantei pra dentro. Hoje eu canto pra fora. Canto alto. Ora batendo forte na palma da mão, ora riscando o chão com a pemba imaginária marcando o terreiro em que piso com respeito e pedindo a proteção contra os maus elementos.

E canto – ao contrário do Paulinho da Viola – pra dizer que no meu coração agitam-se, sim, as ondas de uma paixão perene que sofre, dia após dia, o ataque enfurecido dos maus elementos e daqueles que dão sustento a eles.

Vou explicar, vou explicar!

Os maus elementos são os que se apresentam com uma cara que não é a real. São, e estamos falando de buteco, pô!, os estabelecimentos comerciais que visam apenas o lucro e que se apresentam como BOTECO, BOTEQUIM, esses troços. Vou dar nome aos bois para que tudo fique ainda mais claro.

Aqui no Rio os maus elementos são – para citar apenas alguns – o "Boteco Belmonte", o "Botequim Informal", o "Espelunca Chic", o "Devassa", o "Tô Nem Aí", o "Conversa Fiada", o "Antônio´s" – não o sagrado, hoje conspurcado pelos mesmos que gerem a rede "Belmonte", que ainda abriram o "Codajás" –, o "Manoel & Juaquim", bares que pretendem iludir o incauto consumidor. Metem na entrada uma placa onde se lê BOTECO, BOTEQUIM, e pronto: neguinho acha que está, ó, dentro de um autêntico buteco – com "u" mesmo.

Mas eles não se satisfazem com umbar, não. Eles abrem franquias. E essas franquias se transformam em filiais. O que eu chamo de "Mc Donald´s de bêbado".

E essas filiais são como uma metástase.

Com o dinheiro que têm – lembrem-se de que quem toca os estabelecimentos comerciais que visam apenas o lucro são investidores, e investidores não jogam pra perder – vão passando por cima de todos os botequins mais vagabundos aos quais eu não resisto como um rolo compressor e destruindo a história de um povo, a história de uma cidade, a história de uma tradição.

Eu, lá em cima, falei dos maus elementos e dos que dão sustento a eles. Não vou dar, exatamente, nome aos bois, isso daria muito trabalho. Mas não vai ser difícil perceber que há uma coerência no meu canto pra fora – não mais pra dentro! - como uma denúncia contra essa máfia que contribui – sabe-se lá a que preço – para o incremento dessa indústria mentirosa que atenta contra o que há de mais caro ao carioca.

Você abre um jornalão e está lá, na capa, a fotografia do estabelecimento. Você vai à matéria anunciada na capa e está lá o depoimento de um bobalhão sobre o pastel de funghi com berinjela servido nesses lugares de lamentáveis condutas. Abre outro jornalão e está lá, mais propaganda explícita, com a criação de expressões tão nojentas quanto nojento é o modus operandi das assessorias de imprensa desses verdadeiros impérios que crescem como trepadeira: é o "boteco pé-limpo", o "pé-sujo fashion", e outras pérolas do gênero.

Por isso eu canto, diariamente, que eu não resisto aos botequins mais vagabundos, os autênticos, onde bebe o carioca da gema, onde bebe o pinguço fundamental para a composição do cenário que me comove, onde bebe o sujeito que sequer sabe da existência de tanto mal elemento por aí.

Salve, portanto, todos os "pés-sujos" - DE VERDADE !!!

Faxina 'de grátis' no fígado antes da cerveja


Brahma gelada, pé de galinha, ovo colorido, pastel, o bravo torresmo e aperitivos como lingüiça frita. O pequeno e aconchegante Bar do Eduardo, em Bangu, poderia ser como outro qualquer do Rio não fosse o líquido verde, gelado como a cerveja, que fica no balcão e é oferecido como cortesia para o freguês. "Aqui o cliente leva um copão de chá de boldo para fazer aquela faxina no fígado", afirma Eduardo, comandante da birosca.

A portinha abre diariamente e os aperitivos são feitos sempre na hora. A rapaziada da área - alô Zumba, Genaro, Wagner, Laerte, Lula, Zé Damião e Rodrigo - sempre pede benção e alivia a sede no balcão de madeira, com pimentas espalhas pelas prateleiras, Nossa Senhora Aparecida em cima da televisão, flor de plástico e azulejo decorado. Vale uma conferida.

Bar do Eduardo - Rua Cannes esquina com Rua Ministro Ari Franco, Bangu

Bar Bacaninha do Castelo


Em meio aos gigantes de concreto, encravado nas unhas do dedo mindinho da sede da OAB, do Edífíco Orly e da sede da Federação de Bandeirantes do Brasil, no Centro, o Bacaninha do Castelo luta para manter viva a tradição de mais de 30 anos, com aluguéis sempre pagos em dia, cerveja sempre gelada, um balcão de discussões políticas ou banais. Há algum tempo, a portinha que guarda azulejos antigos, uma pilastra no meio do balcão, doses de maracujá e limão das boas e um legado de família tentam reverter a idéia da Federeção, dona do prédio, de retomar o bar, sabe se lá para fazer ódique!

"Aqui é o ponto de encontro da abobrinha, dizem que se botarmos uma lona vira circo", brinca Carlos, genro de Alexandre, um dos donos ao lado dos irmãos Álvaro e Arlindo. A parceria deu ao bar o apelido de Três Porquinhos, que já completou 30 anos. A regra ali é simples: cerveja gelada, batidas e tira-gosto. Não tem almoço e a tabela é simples. Todos os sanduíches - seja de carne assada, pernil, salaminho... - saem por R$ 4. Qualquer porção - a lingüiça é da boa - custa R$ 12. As cervejas - Brahma, Antarctica e Skol - valem R$ 3. E valem mesmo, pois é a famosa c...de foca. Copo de limão ou maracujá é R$2, no capricho.

"Nossa freqüência mistura advogados, políticos (Miro Teixeira é um deles) e jovens, que aparecem mais na sexta-feira. Quinta é o dia da clientela fiel, um ponto de encontro dos clientes mais antigos. Estamos na luta para manter o Bacaninha aqui, tentando perpetuar a cultura do pé-sujo, tradição do Rio que vem sendo sufocada", desabafa Carlos.

E o Bacaninha - ou Três Porquinhos - sobrevive. Dois restaurantes modernos que eram vizinhos já fecharam as portas. Nem aí para as decisões que são tomadas poucos andares acima, ali, no Bacaninha, o que vale é a política sócio-etílica de balcão. "O cliente que vem comprar um cigarro varejo ou beber cerveja é tratado de forma igual. Só não pode ir ao banheiro e mijar no chão", brinca Carlos, tricolor aposentado do Maracanã.

Além dos parentes que tocam o bar, Evaldo, 68 anos, é o único funcionário, com 14 anos de casa. A cara fechadona na foto esconde um serviço de primeira e a satisfação por fazer parte da história do Bacaninha. No comando da cozinha, Evaldo faz os sandubas e ovos cozidos, além de servir os 'remedinhos' (doses de Teacher´s) e o 'chumbinho' (mel, cachaça, alcatrão e limão).

Devido à violência e ao vazio daquele pedaço do Centro aos sábados e domingos, o bar abre as portas de segunda a sexta, das 6h às 21h. Numa tarde de sexta-feira, depois de sair da rádio, fui pedir à benção naquele balcão. Bacaninha é pouco. Vida (ainda mais) longa aos Três Porquinhos!

Avenida Marechal Câmara, 181, Loja A1 - Centro

Bar RomaRio na Vila da Penha


Debilitado, seu Edevair costuma encostar no balcão para beber refrigerante acompanhado do filho, Romário, que pede guaraná para molhar a garganta enquanto devora ovos de galinha caipira preparados pelo padrinho que mora nas redondezas. A cena descrita dos fregueses ilustres acontece com freqüência no Bar RomaRio, na Vila da Penha. Antigo proprietário, o pai do Baixinho vendeu a casa para o casal Luciene e Barbosa que, ao lado de outros dois sócios, são os responsáveis pelo clima acolhedor e pela cozinha show de bola.

Nesse campo quem bate um bolão não é o Baixola. A camisa 10 é a cerveja sempre estupidamente gelada (R$ 3). Quem também tem vaga de titular garantida é a rabada com batata e agrião, que custa a bagatela de R$ 6. No almoço é possível lamber os beiços com pratos de R$ 4. No balcão do bar - que tem um varandão bem de esquina - galinha ensopada, o bravo torresmo e lingüiça. Barbosa garante o bom atendimento. "O ambiente é bem caseiro, desde a comida até o atendimento", afirma o sócio.Está sendo estudada a idéia de rolar um violão toda sexta-feira.

Pelas paredes, fotos de Romário e garrafas de bebidas quentes. Há tempos seu Edevair não dispensava uma dose de cachaça com jurubeba. Atualmente, ele e o filho Romário ficam apenas no refrigerante. Na área do bar, o Baixinho é um simples mortal. Ali, quem manda no jogo, são os cervejeiros!

Serviço: RomaRio na Estrada do Quitungo,1397 na Vila da Penha

'Remedinho' pra gripe feito por caipiras ganha o mundo


Na época da colonização, a cachaça era a bebida mais consumida nos canaviais do interior paulista. Para não ficar sem beber durante resfriados, alguns caipiras misturaravam limão e alho à branquinha para curar a gripe e molhar a garganta. O alho foi deixado de lado. Já a mistura cachaça e limão vingou.

Durante anos, porém, a cachaça com limão, chamada de ‘remedinho’ (expressão usada até hoje) ficou apenas nas rodas de amigos. Em 1954, a fábrica Cinzano fez um levantamento e viu que a bebida era consumida de forma industrial. Nascia a caipirinha, bebida feita por caipiras.

Mas a caipirinha made in Brasil, a original, é com cachaça e protegida por lei. Em 2002, o então presidente Fernando Henrique Cardoso assinou o decreto 4.072, que diz: "a bebida típica do brasil, exclusivamente elaborada com cachaça, limão e açúcar".

Quando os turistas estrangeiros chegam ao Brasil se lambuzam (e ficam tortos) com as caipirinhas. E a bebida ganhou o mundo. A Alemanha é o país que mais consome a cachaça brasileira. Em Berlim, a caipirinha é encontrada facilmente, mas é adoçada com açúcar mascavo. Como os alemães importam limões, a bebida sai cara: entre R$ 24 e R$ 47. Já em Portugal usam pouca cachaça e muito açúcar, mistura ruim e parecida com a dos americanos.

O próximo passo é a China. Um empresário do ramo de bebidas acredita no sucesso entre os olhos puxados. Afinal, os chineses estão acostumados a beber o moutai, aguardente com 56% de álcool. O teor etílico das cachaças varia de 38% a 54%.

Definitivamente, a caipirinha ganhou o mundo. E pensar que tudo começou como um 'remedinho' para gripe.

Bar do Guima em Bangu


Mais um bar em Bangu, terra boa e fértil. O Bar do Guima, na Rua Ministro Ari Franco, já chega dando um tapa no estômago com aperitivos de fazer babar. Peixe frito, queijos, lingüiça, sempre acompanhado de cerveja de capa branca e cachaça de Minas. Aos sábados e domingos, o sopão de legumes serve para dar um levante na galera - Damião, Carlinhos, Eduardo, Max Brasileiro - que mantém viva a tradicional do carteado, com um Buraco disputado. O portuga e vascaíno Guima e seu bigode garantem o atendimento familiar.

Bar do Gatão no meu querido bairro do Leme

No letreiro, um simpático gato preto; no balcão, cerveja gelada desde as primeiras horas da manhã, tira-gosto e sempre bom papo depois da praia. Mas, numa dessas rodas de conversa no Bar Gatão, na Rua Gustavo Sampaio, no Leme, tendo Nelsinho Rodrigues e sua Skol em lata como testemunhas, veio a revelação: a calmaria no bairro é apenas aparente. Depois dos tiroteios de maio, a situação no Chapeú Mangueira não é de extrema leveza.

O Bar Gatão é parada obrigatória dos moradores do Leme. Pela manhã, os mais coroas começam o trabalho logo cedo. Nelsinho, sua longa barba e os pitacos sobre o Fluminense estão sempre por lá; na hora do almoço, a galera encosta no balcão para cair dentro do prato feito, que, com bebida, não passa de R$ 10; à noite, rola uma mistura entre os que acabaram de sair da areia e os que estão pronto para sair para noitada. Moradores do Chapéu também param por ali. E lamentam.

Segundo algumas pessoas, depois que o tráfico na favela foi tomado por uma quadrilha rival, os moradores convivem com medo, sofrem esculachos e aturam cara feia dos bandidos. As biroscas fecham mais cedo. Volta e meia tiros são disparados a esmo levando tensão para a comunidade. Nada, porém, que diminua o movimento nos bares das ruas próximas. O Gatão vive cheio, às vezes rola uma batucada improvisada, e, na sexta-feira, a calçada fica movimentada. Fora do Gatão, os ratos fazem a festa.

Foi se o tempo de calmaria do bairro em que morei por 17 anos.

Uma boa pedida: Beco do Rato e Terreiro do Galo


Tem quem vá à missa; outros preferem brigar por um espaço nas areias lotadas da praia ou fazer do domingo o dia da preguiça. Não sabem o que estão perdendo. Faça do seu domingo um passeio que comece pela feira da Glória, passe pelo bondinho nos Arcos da Lapa, Santa Teresa e termine em samba.

Na Taberna do Juca (Avenida Mem de Sá), lá pelas 13h, a boa pedida é o cozido, para dividir mole por três cabeças e estômagos famintos. O chopp escuro da Brahma tá fazendo sucesso na casa. Para turminha do refrigerante, a notícia que vai mudar o mundo: nada de Coca-Cola, só Pepsi.

Outra boa opção é a feijoada no Beco do Rato (Rua Joaquim Silva). Clima família, feijão de primeira e, das 15h30 às 19h, roda de samba e música brasileira. Antes disso, logo nas primeiras horas do domingão, a feira da Glória oferece cerveja gelada, queijo coalho a R$ 1, acarajé na esquina da Rua Cândido Mendes e chope no Villa Rica, do outro lado da rua.

Para fechar bem, o Terreiro do Galo, com a roda de samba do Galocantô, que saiu da quadra da São Clemente, no Centro, para o Grajaú Tênis Clube. Começa às 17h30, mas fica bom mesmo lá pelas 20h. Tem estacionamento na porta, a entrada vale R$ 10 e a lata de cerveja R$ 2,50.

3 Dicas de Bar

Bar Luiz - Fundado em 1887, é especialista em culinária alemã, com kassler, eisbein e salsichão, sempre acompanhados de salada de batatas. O chope, claro ou escuro, vale o confere. O bar fica na Rua da Carioca, 39, Centro. O telefone é 2262-6900.

Bar Lagoa - Sempre uma boa pedida beber um chope no varandão de frente para a Lagoa Rodrigo de Freitas. O chope cremoso da Brahma acompanha bem o bife à milanesa. O ambiente é sempre muito agradável. A casa fica na Avenida Epitácio Pessoa, 1674. O telefone é 2523-1135.

Beco das Sardinhas - A rua fechada para carros abriga cinco bares que espalham suas mesas pelas ruas, com muita sardinha frita e chope dos bons. Os bares Ocidental, Rei dos Frangos Marítimos, Adega e Bar Quinta das Videiras, Quina de Ouro Rei das Sardinhas e Bar Tesouro fazem do local um ponto de parada obrigatório. O Beco fica na Rua Miguel Couto, 139, A, no Centro.

Brasileiros têm baladas exclusivas no Japão


Nas festas têm de rolar todos os estilos de música.
Quem sofre com os gostos são os DJ e promotores.


Na pista, a galera se esbalda ao som do funk, que é cortado por um forró, seguido de axé. Eclético demais? Não numa balada brasileira no Japão. "Festa para brasileiros aqui tem de tocar todos os estilos, senão a casa corre o risco de fechar as portas", garante o promoter e produtor de eventos de Mitsukaido, província de Ibaraki, Everton Rodrigo Rosa, de 27 anos, mais conhecido como Bruce.

Maurício Luiz Galhardo, 28, o "Salsicha", de Hamamatsu, tem uma explicação: "A comunidade brasileira do Japão é formada por pessoas de diversas regiões do Brasil e cada um tem uma preferência musical". Produtor de eventos, ele já atuou como DJ no Brasil e hoje organiza uma média de 15 festas por mês no Japão. Todas para brasileiros. "Teve época que fazia até três num dia só em lugares diferentes”, conta ele, que passou a investir também no mercado japonês e internacional.

O Japão é famoso pela produção de festas para descolados e modernosos, e também um celeiro de DJs e produtores musicais. A noite em Tóquio, por exemplo, ferve tanto quanto em Nova York ou Ibiza, paraíso dos "baladeiros". Mas quando se fala em diversão, a comunidade brasileira prefere o aconchego das festas organizadas por conterrâneos e que tenham DJs brasileiros.

"A gente pode até tocar o mesmo estilo de um DJ japonês, mas para o brasileiro o diferencial vai ser as músicas brasileiras", opina Ricardo Wakuta, de 35 anos, o DJ Dino. Além disso, ele diz que as baladas são o único ponto de encontro e de paquera da galera que vive no arquipélago. Galhardo concorda com o colega. "Essas festas são importantes para a socialização da comunidade. A maioria dos namoros e até casamentos nasceram nas baladas", atesta o profissional.

Espaço para todos

Um dos mais antigos DJ da comunidade brasileira no Japão é Ricardo Wakuta, de 35 anos, que começou a tocar em festas em 1992. "Na época só tinham três grandes festas para brasileiros", conta ele, que aprendeu a profissão depois que chegou ao país, em 1991. "Meu sonho era ser DJ e vim com o objetivo de comprar equipamentos para me profissionalizar", diz.

O pontapé inicial foi um conjunto de toca-disco que achou no lixo. "Comprei um mixer e estudei através de um vídeo que minha mãe me enviou do Brasil", lembra ele, que já ajudou muita gente a produzir festas no país. "Hoje o mercado está mais profissional e há espaço para todos", garante ele, ao lembrar que existem cerca de 50 DJs no mercado brasileiro do Japão, dos quais uma dúzia conseguiu entrar no concorrido mercado japonês.

Concorrência

Por ser uma das poucas diversões dos trabalhadores brasileiros que vivem no Japão, as baladas foram se multiplicando pelo país. Estima-se que hoje sejam realizadas mais de 100 festas por mês na comunidade. "Com isso, o mercado se profissionalizou e hoje tudo é feito com seriedade, desde a produção do flyer até a contratação de seguranças", conta Cláudio Willian Makiyama, o DJ Claudinho, que também organiza festas em Nagoya, província de Aichi, e tem uma escola para DJs.

Sérgio Murata, de 43 anos, de Toyota, também na província de Aichi, é outro que promove festas para a comunidade e garante que a concorrência fez com que o público passasse a exigir mais qualidade na produção delas. "As pessoas querem ver coisas diferentes e temos de buscar essas novidades para garantir o sucesso", fala o empresário, que aproveitou a febre do pole dance (dança no mastro), estimulada pela novela "Duas Caras", da Rede Globo, e instalou na sua casa noturna uma pista com mastros. "O povo se diverte", garante.

Criatividade não falta também para Bruce, que jogou cerca de US$ 1 mil dólares ao público em notas pequenas no final da última festa. O tema era Topa Tudo por Dinheiro e a cada evento mais novidades. "É de forma inovadora que a gente ganha fidelidade do público", ensina.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Yani de Simone - A Mulher Filé (Dançarina do Mr. Catra)


Depois da Mulher Melância e da Mulher Jaca, chegou a vez da Mulher Filé, a nova dançarina de Mister Catra. A moça, que também responde pelo nome de Yani de Simone, tem 19 anos, 100cm de quadril, mas não aceita comparações com a precursora do movimento de dançarinas que atendem pelo nome de algum tipo de alimento.

“Quem me deu o apelido foi o Catra que dizia que eu era muito filé, muito linda. A ‘Mulher Melância’ tem uma bunda gigante, e mexe com ela. Eu não! Chamo atenção com a minha dança, com o meu carisma. É um conjunto. Cada uma tem seu estilo”, diz.

No estilo, ou currículo, da Mulher Filé está a “Dança do Pisca”, que Yani inspirou Catra a desenvolver. “Não sei muito bem explicar, mas vou contraindo os músculos do bumbum e ele pisca automaticamente. O Catra viu, ficou maluco e acrescentou isso numa música”, diz orgulhosa.

Como você começou a dançar com o Catra?
Sou fã do Mister Catra e sempre fui aos seus shows. Também sempre dancei desde pequena. Ele me viu, gostou, e disse que estava precisando de uma dançarina. Pegou meu telefone, mas a gente só se encontrou dois meses depois. Comecei a ir aos shows direto com ele, e o público gostou. Danço diferente, faço uma dança sensual. O contrato rolou em janeiro.

É verdade que você tem roubado a cena nos shows? O que você tem de diferente?
Um pouco (risos). Acho que minha simpatia contribui. O meu jeito de dançar também. Danço de short, não coloco nada pra fora, o que acrescenta um pouco de mistério. Também já fiz jazz e dança do ventre, e uso tudo o que já aprendi dentro do funk para inovar. Tem também o detalhe de piscar o bumbum (risos).

E como é isso de “piscar o bumbum”?
Não sei muito bem explicar, mas vou contraindo os músculos do bumbum e ele pisca automaticamente.

Isso já era um sucesso do Catra e você inventou a coreografia?
Não, a música dele era a “Bumbum não se pede, bumbum se conquista”, que eu danço balançando para um lado e para o outro. O “Pisca” surgiu por acaso, em um dos passos. Daí, o Catra gostou e me perguntou depois no camarim: “O que é isso que você fez?”, e eu respondi: “Ah, sei lá, pisquei”. Ele ficou maluco e acrescentou essa parte na música. Minha coreografia acabou estimulando ele a inventar essa parte da música.

Você tem 100cm de quadril, e isso é usado pra te comparar com a Mulher Melancia. Como você lida com isso?
A Mulher Melancia tem uma bunda gigante, e mexe com ela. Eu não! Chamo atenção com a minha dança, com o meu carisma. É um conjunto. Cada uma tem seu estilo.

Ela foi chamada para posar nua agora pela Playboy. Você toparia posar nua se te convidassem?
Por uma boa proposta sim, mas tudo tem que ser avaliado.

Por quanto você posaria nua?
Não tenho idéias de valores, precisaria conversar com o meu empresário e pedir pra que ele negociasse isso.

Quando você começou a dançar com o Catra, enfrentou alguma resistência da sua família? Alguém não gostou?
Teve meu namoro que terminou, mas foi um pouco antes de começar a dançar com o Catra. Sempre gostei de dançar, e ele me prendia muito, tinha muitos ciúmes, e das duas, uma: ou eu ficava com o namorado, ou eu ia para a minha luta. Como gosto muito do que faço, preferi ir à luta. A gente namorava há quase dois anos.

Ele se arrependeu?
Logo assim que a gente terminou, ele me procurou. Agora, a gente não teve mais contato porque ele é jogador de futebol em Manaus.

Qual o nome dele?
Gustavo Correia, ele joga lá há pouco tempo, mas ele é do Rio, do bairro da Vila da Penha.

Mas ninguém da sua família reagiu mal ao saber que você agora é a Mulher Filé?
Não. Todo mundo me ligou para dar os parabéns. Até porque não tem nada de vulgar, é só uma dança sensual. Não tenho irmãos para pegarem no meu pé, quem implica um pouco é meu tio que foi criado junto comigo, mas é tranqüilo (risos).

E como é a recepção dos bailes?
Na Zona Sul do Rio, e na Zona Oeste, as meninas pedem pra ensiná-las a dançar o “Pisca”, elas querem aprender. Já nos bailes da Zona Norte, as meninas já sabem dançar funk, mas gostam também. Os meninos gostam, elogiam, querem falar comigo depois do show.

Alguém já tentou ser mais abusado e te passar a mão?
Já aconteceu uma vez no Olimpo, que é uma casa de shows aqui do Rio, mas estava cheio de segurança e deu pra contornar e, normalmente, o Catra está sempre comigo.

O Catra tem fama de pegar todas, como é a relação dos colegas de trabalho Catra e Yani? Ele já deu em cima de você?
Pintou uma amizade muito grande entre a gente. Ele não esperava que meu trabalho fosse repercutir tão bem junto às pessoas, e eu não esperava dançar com ele porque eu era muito fã do Catra. Agora, tudo que faço eu pergunto pra ele (risos). Acho que Deus me iluminou.

Mas se pintasse um clima, você “ficaria” com o Catra?
Acho que não. Eu o considero um paizão pra mim. Ele conhece a minha mãe. Não rola sentimento de homem e mulher, não. É só admiração de ambas as partes.

Catra lança a "Sagrada Família"


Ele já foi acusado de fazer apologia ao crime e ao sexo. Agora pretende levantar a bandeira contra a exploração de MCs e Djs dentro do movimento funk. Para isso, Mister Catra criou uma espécie de selo chamado "Sagrada Família" que reúne gente como os MCs Pé de Pano, Bigulin, e Duda – da antiga dupla Willian e Duda -, e os DJs Capela, Buiú, Sandrinho, entre outros. Segundo Catra, eles poderão lançar seus trabalhos baseados em contratos justos e colocá-los nas lojas do modo como desejam, sem a exploração dos "Faraós do Funk" - como Catra define alguns DJs e donos de equipes de som que ganham dinheiro em cima do sucesso dos outros.
""Já vi muita coisa triste nesse meio por causa da exploração. MC com música estourada nas rádios, mas passando fome, e gente que deu tiro na cabeça por não ter como pagar as contas", diz ele.

O primeiro trabalho do "Sagrada Família" chega às lojas em junho com um CD que vai reunir 20 faixas, 10 dedicadas ao funk, e as outras 10, ao hip hop.

"É tudo muito simples: se parar de botar lenha no forno, a fornalha apaga. Vamos fugir da escravidão dos faraós do funk", diz essa espécie de Moisés moderno que pretende guiar seus MCs e DJs pelo deserto em busca de uma terra prometida.

O que é a Sagrada Família?
O nome Sagrada Família veio de um amigo meu, o DJ No Break. A gente estava conversando quando ele falou: "O nome do nosso clã é sagrada família porque nossa relação é sagrada, somos uma família de verdade". Gostei daquilo e achei que traduzia bem uma idéia que já tinha há algum tempo de reunir uma galera dentro do movimento funk e hip hop para tocar de forma justa.

Como surgiu essa sua idéia?
Surgiu vendo um monte de sacanagem que acontece por aí. Um monte de injustiça e exploração. Quantas pessoas têm no funk? Quantas pessoas já fizeram sucesso? Se você for ver direitinho, são poucos que tem uma casa para morar ou um carro no seu nome. Eu não sofrer é uma coisa, mas ver outras pessoas sofrendo me incomoda.Via muita gente passando necessidade. Gente como Mc Espiga, Mascote e Raposão, MC Cacau... Se fosse em qualquer outro país, a classe estaria melhor.

Quem foi o primeiro que chegou para fazer parte dessa sagrada família?
Já andava muito com os caras, e na hora de fundar o movimento, já estava todo mundo por ali. Não teve um primeiro.

Mas você tem uma galera da antiga que está retomando, não? Como o MC Duda?
Não, o Duda nunca parou. Só ficou fora da mídia. Ano passado ele tocou em um festival na Finlândia. No funk, a gente tem que ir para a Europa para ser respeitado no Brasil. Ele mostrou coisas novas, e também toda a discografia dele.

E quem são os exploradores? Os chamados "Faraós do Funk"?
Eu não sei quem são. Eu sei que é o mal do funk. Não vou citar nomes porque todo mundo sabe quem é. E não ficar falando porque meu negócio não é falar, mas todo mundo sabe quem são os malditos. Queria que todos estivessem assim: (aponta pra sua sala) com sua casa, seu carro, sua moto e mantendo sua família.

Você não quer falar nomes, mas pode contar melhor como funciona o esquema de exploração?
Rola cartel, manipulação, tem MC que está estourado nas rádios e vai tocar em troca de R$ 100 para 4 mil pessoas. Normalmente, um show desses tem entrada a R$ 10. Faz as contas! Os caras embolsam R$ 40 mil e pagam R$ 100 para os artistas. Os artistas não recebem direito de imagem, às vezes ficam até sem o direito autoral da música. Isso é um crime porque é o sonho dos MCs. Você pega o funkeiro da favela, que tem aquela arte, e os caras sugam e deixam só o bagaço. Vários entram para o crime, desesperam-se a ponto de suicidar. Já cheguei na casa de um MC e ele tinha explodido os miolos, como aconteceu com o MC Goró. Pegaram o contrato dele e colocaram na gaveta, e o cara sem grana pra viver. O funk é um movimento discriminado, então as pessoas que omanipulam, têm espaço pra fazer o que quiserem sem ser importunadas.

Mas você está investindo no movimento e não vai ganhar nada? O que diferencia você de um faraó desses?
Estou investindo e vou receber a minha parte na hora certa. O que me diferencia desses caras é que minha conversa é justa e é diferente com cada um. Não posso exigir a mesma coisa de um Mc que está começando agora, como exigiria de um que já tem um trabalho na rua.

Por que você não caiu nessa armadilha e conseguiu se manter sozinho?
Acho que tive sorte, e também porque meu funk é diferente. Minha intenção é trazer toda uma cultura à tona. Fui buscar coisas no exterior e trouxe pra cá.

Mas existem as versões proibidas das suas músicas.
Mas eu não falo palavrão. As pessoas entendem o que eu quero dizer, mas sem falar nada. Não estou falando de sexo como sacanagem estou falando com amor (risos). Sexo é amor. Sacanagem é salário mínimo (risos). E demais a mais, você vai para a noite para quê? Para dançar, para se divertir e se rolar, rolou, né?! E a gente cantando uma letra gostosa, facilita tudo. A intenção da noite é gozar no final.


Mas não parece diferente dos outras caras quando você canta "sabe esses dias em que você acorda de ressaca/ sua roupa está cheia de lama/ e a cachorra está na cama".
É diferente por causa da minha intenção que é trazer toda uma cultura. Buscar coisas lá fora e trazer coisas pra cá. Também tem diferença porque eu falo do sexo sem falar palavrão.

E o Catra social que cantava a vida na favela? Acabou?
Ele nunca foi embora. O CD da "Sagrada Família", que vai se chamar "Papo Reto" vai ter essa pegada. Mas também não adianta ficar só pingando sangue a vida inteira. Também não preciso ficar falando isso porque já está no jornal. Se você ficar falando muito isso, as pessoas te confundem. Eu estou cansado de ser confundido e ser perseguido. Dou minha idéia dentro de um contexto politicamente correto e boto a galera pra dançar.

Foram esas perseguições que fizeram você partir para esse lado mais sensual?
Sempre tive esse lado mais sensual porque eu sempre toquei "Au, au, cachorra, gatinha, miau", "Meter é bom" e "Capõ de Fusca". Sempre tive essa vertente erótica. É sacanagem, mas é melody. Minha inspiração é na prática. Tenho muitas musas.

Quantas musas você tem?
Várias. Gosto muito de lésbica, entendeu?! Descobri que é um ritual mais bonito. O feromônio fica mais forte. Deixo as meninas se conhecendo, e aguardo o momento certo de entrar em ação. Quando a chapa esquenta, elas se lembram de mim, com certeza.

Tem alguma lésbica em especial com quem você tem vontade de transar?
Tenho um tesão louco por Ana Carolina. Pegava com certeza. Ou melhor, pegava não, me embolava com ela.

Andressa Soares - Na Velocidade 6


Andressa Soares, a ex-Mulher e agora Garota Melancia, gravou o primeiro single de sua carreira de cantora funk. Ela gravou a música "Velocidade 6" - uma continuação do sucesso de MC Créu, "Créu" -, feita pelos DJs Batata e Renato Bruno, em um estúdio em São Paulo. A primeira música de trabalho vai ser lançada em um show que ainda não tem data certa para acontecer. O CD só com funk ainda será finalizado.
Enquanto não se lança de vez na carreira de cantora, Andressa se dedica aos cuidados com o corpo para posar nua novamente. Ela, que já estampou um especial de 64 páginas na edição de abril da "Playboy", será capa da publicação no mês de junho.

Mc G3


MC G3, autor e compositor de vários sucessos que explodiu em todo o Brasil, lança a musica Marola Parte 2, ele que é autor de varias letras como (Babaloo, Marola, Quem Nasceu Nasceu e outras) vem retomando o trabalho que virou sucesso em meados de 2006, com o famoso proibidão da Marola;(olhaaa sente o cheiro da Marolaaa). Desde então MC G3 é um dos MCs que sabe que o Funk é uma roda gigante, um dia se está no alto e do nada você desce e some.
Diferente de muitos MCs, G3 não precisa copiar melodias de outros MCs como vários MCs fazem para tentar manter-se no sucesso.

Contato: (21)8159-2301

Menor do Chapa


Menor do Chapa nascido em 28 de Março de 1982, sob o signo de Áries, Fabrício de Souza Batista é hoje um das maiores revelações do funk, inclusive fora do Brasil, até a França já se rendeu a força de suas músicas.

Formador de opiniões, MC Menor do Chapa, nome que se deu devido a sua baixa estatura e ao local onde ele mora no Morro do Turano, teve influencia por grandes personalidades da nossa história, como Che ghevara, Bob Marley e Martin Luther King.

Possuidor de uma grande fé, Fabrício bate no peito com orgulho ao falar que seu grande ídolo é Deus, sempre em primeiro lugar na sua vida, mas que curte muito o trabalho dos Racionais MCs e, por incrível que pareça, do rei Roberto Carlos.

Em 1998 entrou no mundo da música,influenciado pelo Rap, sua primeira música ‘’O Chapa é o Chapa’’ emplacou, e logo se ouvia em todas as rádios. Daí em diante foi só sucesso, dono de letras fortes e envolventes, Menor do Chapa consegue trazer todo o público com ele em suas músicas, é difícil você ver alguém que não cante suas músicas sempre que são tocadas no baile.

Muito vaidoso com seu trabalho o que mais lhe agrada é quando reconhecem seu esforço e elogiam seu bom desempenho no palco. Nascido e criado no Rio de Janeiro, morro do Turano ele não foge de ser um bom Carioca, e é apaixonado por Feijoada, quando perguntado sobre sua cor preferida responde sem descriminações: ‘’- O vermelho!!!’’ e seu passatempo preferido, não podia fugir muito da área ‘’- ouvir música’’ diz ele.


Fabrício conquista todos com sua Humildade, bandeira que ele levanta inclusive em suas músicas,e é fácil você encontrar o cantor no final de seus bailes no meio de seus fãs num bate papo mais do que informal, através de seu esforço a cada dia que passa seu trabalho vem sendo mais reconhecido e admirado por todos que tem a satisfação de ouvir suas músicas ou participar de seus shows.

Seu DVD foi lançado, mas seu sucesso pode ser facilmente percebido nos DVDS da Furacão 2000, onde o artista sempre tem a satisfação do participar das gravações. ‘’ O sucesso passageiro, a popularidade vira pó, mas o caráter do homem sempre prevalecerá’’ diz sem medo Menor do Chapa.

Contatos Para Show's

Tel: (21) 2435-1252

(21) 9608-9796

(21) 7814-6665

ID 55*6742

MSN:producao.menordochapa@hotmail.com

E-Mail: raphaelbrandes.dmais@gmail.com

http:/www.menordochapa.com.br

As Mulatas



AS MULATAS, UM GRUPO DE FUNK MUITO COMENTADO POR TODOS QUE ASSISTEM, CHAMANDO ATENÇÃO PELA PRESENÇA DE PALCO DA VOCALISTA E DAS DANÇARINAS ABUSADAS COM SUAS DANÇAS SENSUAIS E COM AS MUSICAS DE DUPLO SENTIDO E BASTANTE DANÇANTE, MAIS NÃO É SÓ ISSO, A VOCALISTA COM A SUA VERSATILIDADE MUSICAL TAMBÉM MANDA MUITO BEM NO MELLODY, ELAS SE INSPIRAM MUITO NO GRUPO GAIOLA DAS POPOZUDAS MAS SEMPRE TENTANDO INOVA COM LETRAS PICANTES, A MÚSICA DE TRABALHO DAS MULATAS SE CHAMA * EMPURRA COM FORÇA BB *, QUE JÁ EST SE DESTACANDO NAS COMUNIDADE E TEM PRODUÇÃO DO DJ ALEX MPC, AS MENINAS GONÇALENSES AVISAM QUE VIERAM PRA FICAR.

Contatos Para Show's e Divulgação

(Favor informar que foi visto no site)

Tel: (21) 8671-5064 FALAR COM DIEGO

(21) 8834-0359 FALAR COM FÁBIO

ID: 30*1540 (Diego)

ID: 23*26594 (Fábio)

Dannie


Dannie, A nova aposta do MELODY TAMBORZÃO, chega sacudindo tudo...Esbanjando simpatia e sensualidade no seu show, acompanhada pelos melhores dançarinos das academias do Rio de Janeiro, Professor Binho e Pedro Moreno. Lançada no Big Mix pelo Dj Marlboro com o melody “Tum Tum Tum” (faixa do cd FUNK BRASIL 2008). Agora lança o melody “P...da VIDA”, sua segunda faixa trabalho.
Tem 18 anos, carioca do Engenho Novo (bairro da zona norte do Rio de Janeiro). Dona de uma voz de timbre singular, lembra as grandes divas da Black Music Norte Americana. Estréia em ALTO estilo nas rádios do Brasil, sob a direção artística da produtora FONOPLAY PRODUÇÕES. Com certeza os hits “P...da Vida” e “Tum Tum Tum” (Produção: DJ MÃOZINHA e HUMBERTO TAVARES), irão sacudir e já estão sacudindo a galera nas pistas de dança de todo Brasil.

Contatos para shows:

Tel. (21) 9959 2211 / (21) 7835 9987
ID. 24*14487
Falar com Ronaldo Monteiro

(21) 7830 2880
ID. 8*15443
Falar com Mauro Conde

E-mails:
fonoplay@musicalivre.com.br
faclubedannie@dannie.com.br
dannie@dannie.com.br

msn: ronaldo_fonoplay@hotmail.com

Mc Créu


SEMPRE CONHECIDO COMO DJ SERGINHO COSTA JA NO FUNK A MAIS DE 10 ANOS, PASSOU POR VARIAS FASES DO FUNK ELE CONHECE BEM AS HISTORIAS DO MOVIMENTO MELÔS, RAPS MONTAGENS DE GALERA, RAPS NEUROTICOS E O FUNK MAIS SENSUAL DE DUPLO SENTIDO DE AGORA, PASSOU PELO MIAMI DEPOIS ICE T, VOLT MIX, HASSAM, ATÉ CHEGAR NO TAMBOZÃO DE HOJE, RESUMINDO UMA NOVIDADE DA ANTIGA QUE POR UM ACASO GRAVOU UMA MUSICA DE BRINCADEIRA COM SEUS AMIGOS A MUSICA FOI REPERCURTINDO DE UM FORMA TÃO GRANDIOSA QUE HOJE É O NOVO HIT DOS BAILES FUNKS DO BRASIL DEVIDO AO GRANDE SUSSESO NOS BAILES DAS COMUNIDADES E CASAS DE SHOW, ELE ATENDENDO A MILHARES DE PEDIDOS VEM LANÇANDO MODA COMO PRIMEIRO DJ MC DO FUNK, QUE EM SEUS SHOWS, DANÇA CANTA E FAZ A GALERA DELIRAR E MORRER DE RIR COM SEU JEITO IRREVERENTE DE SER E DE AGORA EM DIANTE O DJ SE TORNOU O :

MC CREU ... É CREU NELAS !

Contatos pra Shows:
Tel. (21) 3158-3079 / 7827-0020
ID. 46*3436
Falar com Agnaldo

Mc David Bolado


Nascido na Praça da Bandeira Rio de Janeiro - RJ Começou sua carreira nos festivais de galera,sua primeira música Dança da Danadinha.
Saiu no cd, New Funk do DJ Marlboro em 2001 e no cd Zoeira 2 da fm O Dia.

Em2006 , David bolado estava fazendo turnê pela Europa, no ano da copa fazendo shows nos eventos dos jogadores brasileiros, como,por exemplo, Ronaldinho Gaúcho com a música entorta Ronaldinho em Barcelona, antes da copa e em Berlim.
Durante a copa do mundo,em 2007 volta ao Brasil e faixa do dvd furacão2000 tsumane 1 com a música zonas. E agora em 2008 faixa do dvd furacão 2000 tsuname 2 com o bonde do bum bum.

Confira as musicas de trabalho, jogando bum dançando e a bate bate o bum bum.

Contatos:

(21) 7891-6383
ID. 8*75071
Falar com David

( 21) 2751-2146 / 9539-3448
Falar com me amigo DJ Fabinho F2

Mc Amandinha


O ano era de 2003, Amanda tinha como hobby dançar num grupo de Lambaeróbica com mais 3 amigas, porém quando saiu de moda, resolveram montar um grupo feminino de Funk que recebeu o nome de “As Saradinhas e quem o administrava era o Mc Esquisito, porém o Projeto não foi à frente e recebeu convite para ser Dançarina no Grupo da Juliana e As Fogosas permanecendo ali durante 4 meses; nessas idas e vindas, conheceu o Empresário das Danadinhas, o Jones e fez amizade. Tempo depois, resolve sair do grupo da Juliana e, um dia, encontra o Jones que a convida a participar do Grupo As Danadinhas, onde tem o seu melhor momento artístico com várias participações em entrevistas, Reportagens, viagens, aonde numa dessas vai cantarolando e Jones percebe que ela tem o dom de cantar e resolve torná-la a 2ª Vocalista do Grupo e, empolgada escreve “Me beija”, sendo brilhantemente produzida pelo Batutinha da Furacão 2000!
Por problemas pessoais, sai do Grupo em 2005 e resolve pôr fim a carreira artística, indo trabalhar em uma loja de roupas. Com o passar dos tempos, morre de saudades daquela vida louca, contudo envolvente que é o Mundo Funk, até que suas preces são atendidas, pois andando em Madureira, encontra com o Jones que a convida a retornar ao trabalho, dessa vez, solo, cantando um Funk “mais nervoso”, imediatamente aceita a Proposta, nasce Mc Amandinha, a mais perfeita mistura da Beleza com o Talento e...”Quando você escutar...” É ela mesma, representando...

Contato para shows:
(21) 7814-8920
(21) 2458-7699
ID. 46*16009
Falar com meu amigo Jones

Email: jones.jay@bol.com.br

Visite: www.flogao.com.br/mcamandinha

Mc Thalita Vieira


Iniciou sua carreira participando de festivais estudantis da canção no Rio Grande do Sul, Coral Municipal, e também fazia parte da CIA de Teatro Vida em Arte pela qual realizou várias apresentações no estado do Rio Grande do Sul.

Aos 17 Anos deixou a cidade do interior e a família para estudar no Rio de Janeiro, devido as condições financeiras e a idade, teve que voltar para o Rio Grande do Sul adiando a continuação dos seus estudos no Rio. Trabalhou como vendedora, secretária e cursou a faculdade de História, longe da família e passando novamente por dificuldades financeiras teve que deixar a faculdade já no 3° período.

Mas o sonho nunca ficou de lado, sempre que podia estava cantando em rodas de amigos, até que em um desses encontros surgiu a oportunidade de cantar numa Banda de Baile, onde cantava várias músicas e principalmente o repertório de Funk, que era o que mais se identificava. Já em um emprego melhor como bancária, dividia o tempo entre o banco, a faculdade de artes cênicas e os shows com a Banda.

Conquistou o seu registro de atriz e decidiu deixar a carreira de bancária para ir em busca da realização do seu sonho. Foi morar novamente no Rio de Janeiro, onde estudou interpretação para tv e cinema e não deixando a carreira musical de lado resolveu investir na sua carreira solo.

Foi então que conheceu Claudinho Menezes e através dele os produtores: Victor Junior e Dennis DJ com quem gravou sua primeira música que se chama: AGORA QUEM NÃO QUER SOU EU, em duas versões que estão sendo divulgadas em todo o Brasil e sendo tocada em quatro capitais.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Pra Ver o Sol Brilhar (Belo nos Estúdios da FM O Dia)

video

Razão da Minha Vida (Belo nos Estúdios da FM O Dia)

video

Intriga da Oposição (Belo nos Estúdios da FM O Dia)

video

Renata Frisson no Programa "Na Madruga " da FM O Dia

video

Vivi Castro no "Na Madruga" da FM O Dia

video

Flagras no Estúdio da FM O Dia

video

Samba dos Brahmeiros (Zeca Pagodinho)

video

Club DJ Pro 2.1.4



Aplicativo desenvolvido para equipar DJ´s profissionais com uma poderosa ferramenta de mixagem de vídeo, áudio e karaokê ao vivo. Veja abaixo algumas dos recursos disponíveis:

# Detecção dinâmica de BPM em tempo real
# DAC-2
# Duplo display de vídeo para pré-visualização
# Trasmissão via internet
# 26 pontos de cue por plataforma
# Controle automático de crossfade
# e muito mais!

Configuração Mínima:# Pentium® IV 2 Ghz ou elevado.
# 512MB RAM
# Windows®XP Home ou Professional
# Internet Explorer versão 6.0 ou superior.
# 200MB de espaço livre.
# Espaço livre para músicas e vídeos.
# DirectX 9.0 ou superior.
# 128MB ou superior (placa de vídeo)
# 32 bit (high color) 1024 x 768 resolução.
# 1 Soundcard (2 placas de som são precisas somente para acessar algumas funções).?

jetAudio Basic 7.0.5.340


jetAudio não é apenas mais um player de áudio, mas sim um programa que veio para mudar todos os seus conceitos a respeito de tocadores de música. Nele, além de escutar músicas, você pode: assistir filmes, converter músicas e vídeos, ripar CDs, gravar CDs, ouvir canais de rádio online, obter músicas na Internet e muito mais.

Sua interface é arrojada e suporta skins (temas), os quais podem ser obtidos através do próprio programa. Na janela principal, você encontra todos os elementos necessários para a execução de áudio/vídeo, bem como equalizador gráfico, botões de controle, informações sobre o arquivo, etc. Os demais recursos encontram-se separados em abas, para facilitar ainda mais a sua utilização. Download em link direto do fabricante.

MUITO MAIS QUE UM PLAYER!

Como se não bastasse a vasta quantidade de ferramentas que o programa oferece, cada uma possui inúmeros recursos e opções de configurações, possibilitando que você tire o máximo de proveito delas. Outro diferencial é a sua interface interativa, que permite acessar as opções de configurações de cada elemento com apenas um clique do mouse. Suporta até mesmo a exibição de legendas!

Elementos da interface:

* Abas de ferramentas, alternáveis através de um clique.

* Equalizador gráfico personalizável e com configurações predefinidas — Jazz, Rock, Pop, Classic, Vocal, Dance, Rip, Ballad, Rap e Metal.

* Botões de controle.

* Efeitos sonoros — Wide, Reverb, X-Bass, X-Surround, BBE, BBE ViVA e Crossfade.

E não pára por aí! Ainda possui um recurso exclusivo: o TIMER/ALARM. Com ele, você define o player para executar ações automaticamente, aumentando ainda mais sua comodidade. Muito útil para quem que gosta de deixar suas músicas tocando enquanto vai dormir por exemplo, possibilitando que ele desligue seu computador ao atingir um tempo limite ou alcance um horário predefinido.

Compatibilidade:

O jetAudio traz tudo o que você precisa para executar e gerenciar arquivos de áudio e vídeo em um programa só! Sua compatibilidade é incrível, suportando a maioria dos formatos de áudio/vídeo: MPEG, MPG, MPE, DAT, AVI, ASF, WMV, OGM, MKV, AU, SND, AIF, FLI, FLC, OFR, OFS, 3GP, 3G2, QT, MOV, RM, RA, RAM, RMM, RPM, SMI, SWF, APE, FLAC, IMS, MID, RMI, KAR, MIDI, MOD, S3M, XM, IT, 669, MTM, FAR, ULT, MDL, ULT, OKT, MP3, MP2, MPC, OGG, SPX, WAV, WMV, VCD, SVD, IFO, M3U, PLS, ASX, WAX e WVX.

RECURSOS

Ripe CDs com praticidade!

A primeira opção encontrada nas abas do jetAudio — Rip — traz uma nova janela onde você pode ripar CDs, ou seja, gravar todo o conteúdo da mídia (músicas) para o computador em um formato compresso — WAV, OGG, APE, FLAC, MPC, RealMedia, Speex ou WMA. Nela há opções como gravar todas as faixas do CD continuamente em um único arquivo, configurar a qualidade do arquivo de saída e definir um rótulo para que os arquivos sejam nomeados automaticamente seguindo um padrão definido, além das funções fundamentais.

Converta arquivos de áudio e vídeo:

A ferramenta Convert traz duas opções individuais: converter áudio e vídeo. Ambas possuem preferências semelhantes, com opções para configurar por completo os codecs a serem utilizados. Apesar da imensa compatibilidade do programa, elas se limitam aos formatos mais comuns e usuais de áudio/vídeo, suportando inclusive a conversão para MP4 (vídeo).

Crie o seu som:

O que acha de gravar o seu próprio som? Então ligue seu microfone e comece agora mesmo! Este recurso do jetAudio traz inúmeras maneiras de fazer a gravação de áudio, possuindo seis opções de entrada: microfone, CD Player, entrada de áudio, saída do fone, saída mono e mixagem estéreo. Em todas elas pode-se aplicar diversos efeitos e, é claro, definir o formato da saída.

Grave seus CDs de áudio!

Na opção Burn, você encontra tudo o que é necessário para se gravar um CD de áudio ao seu gosto. Ela baseia-se em um simples software de gravação, sendo possível até mesmo a execução das músicas na lista de criação. A inclusão de arquivos na lista pode ser feita de maneiras distintas: arquivo por arquivo, álbum inteiro ou lista de reprodução. Caso seja utilizado CD-RW, há também a opção de limpá-lo.

Tenha acesso a músicas online:

A opção que não poderia faltar a um programa deste porte! Clicando na aba Broadcast, você é redirecionado ao site de canais de rádio da jetAudio, que oferece uma grande variedade de estilos para serem escutados gratuitamente. Escolhida a rádio, basta baixar a lista de reprodução e executá-la com o programa.

Para uma busca mais específica, o programa oferece acesso a dois sites de MP3 através da aba Get Music, onde você poderá pesquisar e adquirir músicas com praticidade. No site, você pode ouvir uma demonstração da musica pela qual se interessar antes mesmo de baixá-la, evitando assim a aquisição de uma música diferente da esperada.

O PLAYER COMPLETO

Realmente o jetAudio reúne tudo o que você precisa em termos de áudio e vídeo. Além da sua versatilidade, também é muito cômodo, com a opção de execução em segundo plano, dispondo um ícone na systray (barra de sistema), o qual emite janelas popups a cada mudança automática de música. Se preferir, você pode deixar a playlist (lista de reprodução) em modo de exibição always on top (sempre no topo), acima do relógio do Windows.

CyberPower Audio Editing Lab 12.8 Title


CyberPower Audio Editing Lab 12 é uma solução ideal para edição de áudio e masterização. O programa contém tudo o que necessita para criar uma grande ressonância gravações de áudio e CDs, incluindo ferramentas para gravação profissional, análise e edição. A interface de usuário foi criado com velocidade, precisão e facilidade de uso em mente.

Ampla gama de ferramentas de alta qualidade de áudio e efeitos são integrados no Audio Editing Lab - incluindo ferramentas para a dinâmica de transformação, equalização, inúmeros efeitos como eco, amplificação, redução do ruído, reverberação, coro e flanger, bem como o tempo alongamento e principais ferramentas transposição. Gravações distorcida pelo ruído, cliques crepitar, clipping ou ausente alta freqüência conteúdo pode ser restaurado.

EZ-DJ Plus 1.2.112


Com o EZ-DJ Plus, você pode finalmente criar suas mixagens. Escolha uma das músicas incluídas ou selecione seus próprios MP3s e, em seguida, vá até às pickups e inicie sua mixagem.

É possível executar alguns truques interessantes de DJ e aplicar ótimos efeitos. Quando a mistura for concluída, grave um CD ou exporte-o para um dispositivo portátil de música e leve-o com você aonde quiser!

Realmente muito fácil de usar e ótimo para criar efeitos e transições interessantes em suas músicas.

Principais funções do EZ-DJ-Plus:
• Misturar suas MP3s como um mestre DJ;
• Adicionar truques DJ, transições e efeitos;
• Distorção de sons com ferramentas exclusivas;
• Gravação da sessão para o CD;
• Transferência do seu trabalho para um dispositivo portátil.

Cool Record Edit Deluxe 5.2


Cool Record Edit Deluxe 5.2: Grave e Edite qualquer som em seu PC! Sabe aquele LP ou fita cassete que você guarda há muito tempo e que já está começando a perder a qualidade original? Cool Record Edit Pro, vai lhe ajudar a transferir esse tipo de áudio para seu computador e conseguir editar esses áudios, melhorando qualidade de gravação, volume, sem mexer muito na originalidade. Além disso você ainda vai poder inserir efeitos, mixar com outros arquivos de áudio, vozes, fazer equalizações, entre outras coisas.

Acoustica MixCraft 3


Descrição: Mixcraft permite que você grave e mixe como os melhores produtores e DJs do mercado. Ele foca-se na criatividade e não em detalhes técnicos. Corte, cole, edite e formate seus sons da maneira que desejar. Use efeitos como reverberação, flanger ou equalizações ou instale uma variedade de efeitos DirectX ou VST para adicionar tremolos, distorção, chorus ou até mesmo remover vocais de uma faixa.

Absolute Sound Recorder 3.6.2 - Grave Som de qualquer Dispositivo


Grava o som do microfone, de qualquer dispositivo de entrada de áudio, como transmissões de pela Internet, etc. Absolute Sound Recorder é um aplicativo que permite que você grave sons de um microfone, áudio em linha, áudio transmitido da Internet ou música reproduzida pelo Winamp, Windows Media Player, QuickTime, RealPlayer, Flash e jogos sem perdas na qualidade. Suporta formatos de saída MP3, WMA e WAV. Conta também com um player (tocador) próprio e um editor de etiquetas ID3.

Djs Pioneer


* Mistura automática
* Visor de Waveform para indicar a posição de leitura e os pontos cue (localização) e loop
* Sincronia de BPM e sincronia de batida
* Oito efeitos que incluem Delay, Echo, Auto Pan, Trans, Filter, Flanger, Reverb e Pitch Shifter
* Função Fader start para o controlo da leitura de dois leitores (canal, fader e cross fader)
* Função Create (criação) para a definição de quarto pontos para cues ou loops na faixa.

* Requisitos dos Sistema:
* Microsoft® Windows® XP Home Edition / Professional / Microsoft Windows 2000 Professional
* Intel® Pentium® M 1.5GHz ou superior (ou processador equivalente a 1.7 GHz ou mais)
* 512 MB RAM ou superior
* Resolução de ecrã de 1024 X 768 pixels ou superior
* Saída de áudio integrada ou externa
* Drive de CD-ROM
* 250 MB ou mais de espaço livre em disco (excluindo a capacidade necessária para guardar .mp3 e outros ficheiros).

Fruity Loops


Fruity Loops é o melhor estúdio virtual da atualidade. Você pode criar músicas e loops em formato WAV, MP3 e MIDI em poucos minutos. Ele também reproduz arquivos de modelo (WAV) e gera (sintetiza) instrumentos.

A interface é impressionante, tão realista que irá suscitar as forças mais criativas do compositor. Frutity Loops é um seqüenciador adequado para a criação de músicas complexas e loops de bateria, com mixagem interna de 32-bit e suporte MIDI avançado. A música ou loop resultante pode ser exportada no formato WAV/MP3 e todos os eventos MIDI podem ser exportados para um arquivo padrão MIDI.

Fruity Loops é um seqüenciador baseado em padrões, o que significa que você pode criar músicas em “pedaços” (patterns ou padrões) usando um seqüenciador passo a passo e um piano virtual para visualização na janela de reprodução. Você pode adicionar vários efeitos nos instrumentos (reverberação, phaser, flanger, etc.) e conduzir as faixas mixadas do jeito que você quiser.

Conta com suporte VST, VSTi e Dxi. Também trabalha em conjunto com programas como Cubase e Sonar. Esta versão inclui sintetizadores de guitarra, piano e teclado, com leitura a 24-bit e opções de desfazer/refazer no histórico.

Atomix Virtual DJ Professional 5.07


Virtual DJ é um aplicativo de enorme poder mas de fácil aprendizagem, possui engine BeatLock, permitindo que suas canções sempre contenham batidas para você trabalhar nas mixagens rapidamente. O motor dele possui emenda automática e sincronização para trabalhar com sons de vinil sem estragar seus CDs ou MP3s, podendo fazer os barulhos através da plataforma giratória.

O software agrada tanto novatos como profissionais, fazendo exposição de batidas para ver estruturas e rupturas de canções inteiras, usufruindo de um número infinito de sugestões, disponibilizando diversos efeitos legais para incrementar ainda mais a sua experiência.

VDJ possui suporte a skins e também pode gravar suas mixagens e gravá-las em um CD ou MP3 para distribuir seu som aos seus amigos ou para a Interne.

Use o “Beatlock” para moderar a batida, dando um toque profissional às ‘remix’ feitas pelos seus dedos. Mistura vídeo ‘VJ’ com formatos do tipo DVD, DivX, MPEG, etc. para animar o olhar atento sobre o som que produz.

Diet MP3


O DietMP3 é o melhor compressor de músicas MP3. Comprime em até 75% suas músicas sem perda de qualidade. Super fácil configurar, você pode colocá-las em seu celular, iPod, MP3 Player ou até mesmo deixá-las no computador para liberar espaço em seu HD.Esse programa é perfeito para quem tem player de MP3 no celular e também para quem aqueles players mais antiguinhos e baratinhos com só 64, 128, ou 256mb de memória.